sintese.arq

edifício de apartamentos água verde

concurso weefor arq - primeiro aberto de arquitetura

status: projeto
ano de projeto: 2019
local: curitiba | brasil
arquitetura: igor coimbra, ricardson ricardo [autores]; carina costa, caroline tavares, gabriela pinto [colaboradores]

Buscando potencializar as relações de encontro dos moradores e permeabilidade urbana, a proposta deseja desfrutar de fluidez, aproveitando cuidadosamente as delimitações do lote e cedendo parte dessa área para todos. Para tal ação, é necessário a remoção da edificação existente da antiga fábrica, possibilitando reorganizar a disposição do conjunto, constituindo uma generosa praça pública arborizada com espaços de descanso e permanência, agindo como mediador entre as áreas públicas e privadas e oferecendo continuidade dos passeios da cidade. A estratégia de oferecer atividades coletivas no térreo e mezanino resulta em vida urbana para o entorno imediato, colaborando com a segurança de quem passa e de seus usuários. O pavimento térreo, com acesso controlado pela rua Pará, dispõe de sala de jogos e estar com acesso ao mezanino e às unidades. O conjunto possui área de academia no corpo do edifício, piscina na cobertura e salão de festas no mezanino.

Terreno
Localizado na esquina da rua Pará e rua Mato Grosso o terreno apresenta declividade nos dois sentidos, sendo a esquina seu ponto mais alto, o que colaborou para a hierarquização dos acessos, sendo o acesso de pedestres em nível pela rua Pará, sem necessidade de rampas ou escadas. O acesso dos automóveis foi rebaixando dois metros a partir da cota mais baixa do terreno, com acesso pela rua Mato Grosso, aproveitando as condições pré-existentes da topografia.

Implantação
A implantação do conjunto é estabelecida a partir do eixo de circulação vertical e as unidades de apartamentos são distribuídas em três volumes distintos conectados entre si por passarelas. A fragmentação dos volumes proporciona ventilação constante nas áreas de circulação horizontal comum do edifício e dispõe de iluminação natural, tendo caráter de espaço aberto com perspectivas que se abrem para a cidade.

Estrutura
A estrutura modular é definida a partir da malha de 1,20×1,20, proporcionando racionalização na construção do edifício.

A estratégia estrutural definida partiu da possibilidade de alternar as direções das aberturas dos apartamentos, assegurando as melhores orientações, tanto de visuais como de insolação, de acordo com as especificidades de cada unidade. Seguindo a lógica racional, os blocos de apartamentos possuem prumadas hidráulicas que constituem núcleos rígidos onde concentram-se as áreas molhadas, permitindo maior flexibilidade para as unidades.

Unidades
Devido a geometria dos pavimentos determinada pelo desenho arquitetônico, as unidades habitacionais conformam espaços únicos, proporcionando singularidade e identidade para cada residência, mas inserido na lógica da estrutura modular.

As unidades foram desenhadas com o cuidado de reduzir ao máximo a compartimentação dos ambientes, de modo que a planta seja livre e facilmente articulada, possibilitando distintas configurações de unidades residenciais ou eventuais ampliações.

As unidades duplex, são constituídas por dois módulos habitacionais com pé-direito duplo. O piso e escadaria de acesso ao segundo pavimento são em elementos metálicos, permitindo reversibilidade e alterações da disposição dos ambientes de acordo com as necessidades individuais de cada morador.